artistas

Grupo islâmico acusa Rihanna de plano demoníaco

30 de janeiro de 2018, 14h59, por Alexandre Murari
Divulgação

Após anunciar que irá viajar para o Senegal, país do continente africano, entre os dias 2 e 3 de fevereiro, em função de seu papel como embaixadora global da educação, a cantora Rihanna foi vítima de um grupo islâmico, que pretende barrar a entrada da cantora no país. Os religiosos alegam que ela é uma pessoa indesejada e que faz parte de um plano do demônio para arruinar o país.

→ Estampada em capa de revista, Anitta critica manchete

→ Caetano cobra prefeitura de Salvador por direitos autorais

"O povo senegalês questiona de forma realista o que uma figura como Rihanna poderia contribuir para a educação dos nossos filhos", contesta o grupo senegalês em texto divulgado pela agência EFE.

Por mais que tenha sido rechaçada pela comunidade islâmica de Senegal, as autoridades políticas do país compreendem a importância da viagem de Rihanna e como isto é relevante na educação de Senegal.

Rihanna batalha ao lado da Global Citizen e da UNICEF para construir escolas e gerar condições de estudo para todas as crianças do país africano. Ela participa de várias reuniões com chefes de estado de vários países para colocar os projetos educacionais em ação. Ela já conseguiu, por exemplo, várias bicicletas para que as crianças chegassem aos colégios no Malauí, onde o deslocamento é um obstáculo.

Comentários