Entrevista: Wilson Sideral

19 de junho de 2009, 10h36, por Da redação, por Tatiana Pires

Neste ano, o cantor, compositor e instrumentista Wilson Sideral celebra 10 anos de estrada e para comemorar o marco irá gravar no segundo semestre o primeiro CD e DVD ao vivo da carreira. O novo trabalho deve ser lançado no início de 2010.

Ouvir músicas de Wilson Sideral
Letras de Wilson Sideral

Fotos do show de Wilson Sideral

Atualmente Wilson Sideral está realizando shows para divulgar o álbum “Dias Claros”,( 2007). Esse é seu quarto disco e o segundo lançamento do seu selo independente, Sideral Experience.

São 12 faixas, sendo, oito delas de autoria apenas do artista, e duas em parceria: a faixa-título, “Dias Claros”, com o habitual parceiro, Mauro Sta Cecília, letrista da canção que deu nome ao álbum anterior, “Lançado ao Mar”; e a faixa de trabalho, “Fugindo de Mim”, em parceria com o ator e letrista mineiro Caju. Além das 10 faixas inéditas, o disco traz, ainda, duas releituras: “Exagerado”, de Cazuza, inserida na trilha sonora da nova novela do SBT, “Revelação” e “Já Foi”, mais uma parceria de sucesso entre Wilson Sideral e os mineiros do Jota Quest.

Em entrevista ao Kboing, Wilson Sideral fala do desejo de lançar seu primeiro trabalho ao vivo, sobre seu último disco “Dias Claros” e seu selo independente. Acompanhe:

Kboing – Neste ano você completa 10 anos de carreira. Há algum projeto especial para a comemoração?
Wilson Sideral –
Para celebrar esses 10 anos, iremos gravar meu primeiro CD e DVD ao vivo. A gente inclusive está com a Lei de Incentivo à Cultura, então aprovando esse projeto para a viabilizar isso. Pretendo gravar nesse CD as músicas mais importantes da minha carreira até aqui, algumas coisas inéditas e algumas homenagens as referências musicais que eu tenho em versões. A gravação deve acontecer nesse segundo semestre e o lançamento em 2010.

Kboing – Qual o balanço que você faz da sua trajetória musical?
Wilson Sideral –
Olha, eu tenho o prazer de viver de uma coisa que eu amo, que é fazer música e são poucas as pessoas no mundo que tem esse privilégio, então eu sou abençoado mesmo, eu agradeço todos os dias essa vida que eu tenho. Não é fácil, existe muitos altos e baixos na carreira musical, às vezes você está em evidência fazendo muito show e às vezes menos...então você tem que aprender a conviver com isso e aproveitar a vida. Estou muito contente, vivendo uma fase muito especial com esse disco novo, um disco independente, feito com todo carinho, com toda liberdade musical, que tem aberto muitas portas pra mim. Três músicas são trilhas de novela, “Fugindo de Mim” em Malhação, da Globo, a versão de  “Exagerado” de Cazuza, em Revelação, do SBT e “Minha Garota” em Amor e Intrigas, da Record. Além das músicas tocando nas rádios, fazendo shows pra caramba...então tenho sido recompensado por toda batalha desses 10 anos de estrada.

Kboing – Como surgiu a idéia de criar um selo independente?
Wilson Sideral –
Partiu do momento que a gente vive hoje na música, onde as gravadoras estão vivendo uma fase de crise muito grande, estão investindo muito pouco em novos artistas, estão realmente investindo só nos medalhões. É até uma necessidade, para você não ficar parado, não ficar sem novos discos. Eu vejo exemplo de artistas com carreira muito mais antigas que a minha com selo independente como Djavan, Maria Bethânia, Cidade Negra, Paralamas do Sucesso, enfim, artistas optando pelo segmento independentes pela vontade de fazer algo novo.
Com essa crise da pirataria e também com a inclusão digital, das pessoas buscando baixar os MP3 da Internet, lidando com isso de uma maneira muito mais prática e constante, a gente está reinventando a maneira de como trabalhar e viver de música. O selo veio junto com essa gama de novas possibilidades.

Kboing – Quais são os pontos positivos e os negativos de se fazer uma produção independente?
Wilson Sideral –
O lado positivo vem muito da liberdade criativa e de divulgação. Quando eu fui artista de uma gravadora, por exemplo, eu fui da Universal Music durante dois álbuns e um terceiro com distribuição deles, ficava preso sem poder liberar as músicas na Internet, sem poder fazer CDs promocionais para esparramar e a galera ter acesso ao trabalho...era terminantemente proibido fazer isso.
Por um outro lado uma grande gravadora te dá uma estrutura até financeira para fazer uma divulgação grande em rádios, videoclipes. Então tem os dois lados.

Kboing – Como foi o processo de composição do disco “Dias Claros”?
Wilson Sideral –
O trabalho de composição é uma coisa que eu estou sempre produzindo, mesmo quando eu não estou me preparando para ir pro estúdio, é uma coisa constante. Estou sempre fazendo música e vou guardando, quando chega a hora de gravar eu junto o material todo, vejo como é que está e aí rola um processo mais intensivo de compor especificamente para um disco novo.
Bom, aí escolhido o produtor, que em “Dias Claros” foi o Ruben Di Souza, aqui de Belo Horizonte, um cara muito legal que já trabalhou com Skank, Tia Anastácia e comigo em outros trabalhos, chegamos num repertório juntos e fomos para o estúdio gravar.

Kboing – Fale um pouco sobre a produção do álbum.
Wilson Sideral –
Foi um disco feito assim com um cuidado muito grande na produção. O maior destaque desse CD é exatamente a qualidade na produção, em que nós utilizamos orquestra, em quatro musicas tem arranjos de violinos, violoncelos e conta com a participação de vários músicos de Minas, de São Paulo, do Rio. Gravamos em Minas, mixamos em São Paulo e masterizamos em Nova York, em um dos maiores estúdios de masterização do mundo. “Dias Claros” foi bem caprichado, mesmo sendo um disco independente teve todo esse aparato.

Kboing – Você falou como é seu processo de composição de músicas. Você busca se inspirar em algo em especial?
Wilson Sideral –
Tudo a minha volta se torna motivo de inspiração...tudo o que eu vejo nas pessoas, nos jornais, as coisas que eu escuto...Todo mundo é influenciado por alguma coisa, então todos os artistas que eu gosto também me influenciam de alguma maneira. E um tema muito recorrente do meu trabalho, além do cotidiano são as relações a dois...tem aí uma pegada romântica, de falar sobre amor. É uma coisa que pra mim é natural de escrever e a maioria das minhas letras acaba indo para este lado, mesmo que eu comece dando uma volta, acabo falando de relacionamentos.

Kboing – Então você se considera uma pessoa romântica?
Wilson Sideral –
Ah sim, com certeza.

Kboing – Quais são os artistas que você gosta e acabam influenciando no seu trabalho?
Wilson Sideral –
Aqui no Brasil eu fui muito influenciado pela geração dos anos 80, que foi quando eu comecei a descobrir e me apaixonar pela música, ouvi muito rock nacional. Mas depois fiz uma pesquisa muito grande, de ouvir black music, de soul...tem pitadas dessas duas coisas no meu trabalho, misturadas com o rock.
Eu ouço muita coisa antiga, dos clássicos como Tim Maia, Jorge Ben, Roberto Carlos.
E também estou ligado nessa nova geração que tem produzido coisas de qualidade, gente como Vanessa da Mata, Seu Jorge, Lenine, O Rappa...E fora do Brasil tenho ouvido também uma nova geração: John Mayer, James Morrison, Corine Bailey Era...todo mundo dessa nova safra que mescla a música pop com uma pegada de jazz, de soul.

Kboing - Qual sua opinião em relação à Internet? Você acha que ela mais prejudica ou ajuda os artistas, na medida que divulga trabalho?
Wilson Sideral – A Internet tem sido hoje a maior porta para a divulgação musical de uma maneira mais simples, mais barata até, porque está tudo ali, de graça, à disposição das pessoas. É totalmente positiva. Estamos criando uma cultura, apesar de ter esse serviço disponível há mais de 10 anos, mas no Brasil as pessoas ainda estão acostumando ao hábito de ouvir e procurar músicas na Internet. A gente não tem, por exemplo, uma loja oficial do ITunes no Brasil e em muitos países as pessoas já se habituaram a comprar músicas nessas lojas oficiais. Então quando as pessoas criarem realmente esse hábito não só de baixarem as músicas gratuitamente, que eu acho super justo em algumas situações, mas não no caso de baixar o disco inteiro de graça...pô e todo o processo de produção? E quanto custou aquele álbum? Pagar todos os músicos que participaram daquela produção...
Se a gente conseguir unir o útil ao agradável, conseguir fazer um trabalho de divulgação bacana e acostumar as pessoas ao invés de comprar o CD, baixarem as músicas que eles gostam e pagar por um preço justo, ai vai ficar realmente bacana.

Kboing – Deixe um recado aos seus fãs que acessam o Kboing.
Wilson Sideral – Eu queria agradecer a todos vocês aí do Kboing, a todo mundo que acessa o site e dizer que meu trabalho está totalmente à disposição para quem quiser conhecer mais, através da rede no www. wilsonsideral.com.br, onde pessoal vai poder chegar as outras coisas que tem para divertir: o blog oficial, tem comunidade no orkut, flickr, myspace, enfim toda essa gama de coisas para quem gosta de se informar bem....e também agradecer ao carinho que tenho recebido de todo mundo e que as pessoas procurem cada vez mais saber a respeito do meu trabalho, das minhas músicas. Deixar um recado de muita paz e que consigamos cada vez mais fazer um mundo melhor, sem violência, de “Dias Claros”.

Comentários