Músicas - Escolha Seu Artista

Em hotel no RJ, Karol Conka bate na cara de abusador

12 de dezembro de 2017, 16h13, por Alexandre Murari
Divulgação

Por meio do Instagram, nesta segunda-feira, 11, a cantora Karol Conka relatou um assédio que duas mulheres sofreram em um hotel do Rio de Janeiro. Em uma série de vídeos, Karol fez um desabafo em que ela conta que um hóspede passou a mão nas garotas e quem ninguém tomou nenhuma atitude.

→ Chester não estava sob influência de drogas ao morrer

→ Steven Tyler inaugura abrigo para vítimas de abuso sexual

Por conta disso, Conka foi para cima dos abusadores e deu um soco na cara de um deles: "Quando você se cala diante de uma situação de abuso ou agressão, você é cúmplice. Então quando você vir uma situação dessa, reaja, faça alguma coisa, não fique do lado do agressor", finalizou a cantora.

→ Harry Styles e James Corden se beijam em vídeo

Procurado pelo G1, o hotel informou que chamou a segurança local assim que soube do abuso e  que se ofereceu para entrar em contato com autoridades. A empresa disse ainda que rejeita qualquer tipo de assédio.

"Po***, Brasil, a gente está no Sheraton [hotel], curtindo o final de trabalho pra chegarem os gringos aqui e chamarem as menina de p*** e passarem a mão nelas. É o dia inteiro, é todo dia isso, gente. Ó, gringo folgado. Agora eu acho que a medida que tinha que ser tomada pelo Sheraton é a seguinte. O cara passou a mão nas meninas, fez gesto obsceno, tira o cara do local, que está todo mundo curtindo, e vai resolver pra lá. Mas estão aqui, tranquilamente, só falta dar beijinho na testa do tarado", relatou Karol.

"Pra finalizar o desfecho do gringo folgado que vem ao Brasil e acha que toda brasileira é p***, a gerencia do hotel disse levou ele pra lá, não resolveu muito, quem teve que resolver fui eu e o pessoal aqui e acabei dando na cara dele. O pior é a galera justificar essa atitude ridícula dele falando que ele está bêbado, fora de si. Esses gringos têm que aprender, e todos vocês, caras folgados, que não importa se você bebeu ou não, têm que respeitar". "Sabe o que foi pior? Quando dei na cara desse lixo, o segurança falava ‘não agrida’. Ah, então ele pode chegar aqui, passar a mão na menina, se masturbando, falando merda e eu não posso dar na cara desse lixo."

Comentários