músicas: escolha seu artista

Entrevista: Rosa de Saron

06 de março de 2009, 11h54, por Da redação, por Tatiana Pires

Com o intuito de se diferenciar das demais bandas de música gospel, a Rosa de Saron apresenta melodias que exprimem a maneira de ser, pensar e sentir dos músicos.

Ouça entrevista em áudio
Ouça as músicas de Rosa de Saron

Com mais de 20 anos na estrada, Rosa de Saron vem ganhando repercussão no cenário nacional. Formada por Guilherme de Sá (voz e violão), Rogério Feltrin (baixo), Eduardo Faro (guitarra) e Grevão (bateria), a banda muito conhecida no segmento religioso está ganhando notoriedade após o relançamento do ‘DVD Acústico ao Vivo’ por uma grande gravadora nacional.

Considerada a pioneira no estilo ‘heavy metal’ católico, a banda lançou seu primeiro álbum “Diante da Cruz” em 1994. De lá pra cá muita coisa mudou, hoje o estilo musical se encaixa no pop rock.

A seguir uma entrevista exclusiva para o Kboing com o líder do grupo. Rogério Feltrin conta a trajetória da Rosa de Saron:

Kboing – Como foi o início da banda?
Rogério – Começamos em 1988, dentro do Movimento de Renovação Carismática da Igreja Católica, nos conhecemos ali e nos juntamos para tocar nos encontros, nos retiros, animar os eventos. Depois de um tempo tocando juntos, começamos a trabalhar com música própria, inscrevê-las em festivais, a coisa começou a dar certo, a gente começou a ir bem, ganhar festivais e assim foi.

Kboing – A banda tem a mesma formação do início?
Rogério – Não, da formação inicial está só eu. O guitarrista está desde 1990, o baterista entrou logo depois e o vocalista entrou em 2001. Estamos com a mesma formação desde 2001.

Kboing – Existe algum motivo na escolha do nome Rosa de Saron?
Rogério – O nome foi tirado de uma expressão bíblica do livro 'Cântico dos Cânticos'. Saron é uma região desértica da Palestina e a expressão tem uma simbologia muito forte de uma flor que nasce no deserto, representa a vida que vence a morte, a esperança, a vida que existe apesar das diversidades. É uma figura bíblica na verdade.

Kboing – Mesmo com 20 anos de estrada, só nos últimos meses a banda vem ganhando repercussão nacional. O que impulsionou esse reconhecimento?
Rogério –
Dentro do segmento religioso a gente sempre foi muito conhecido. Há muito tempo viajamos pelo Brasil fazendo show. No ano passado, a gente fez 108 apresentações pelo país inteiro. Estamos ficando mais conhecidos porque fechamos um contrato com a Som Livre, que está distribuindo o DVD gravado em 2008, o que viabilizou essa repercussão, pois o poder de mídia é muito grande, atingindo um mercado que extrapola, e muito, o religioso.

Kboing – A Rosa de Saron começou sendo uma banda gospel de estilo ‘heavy metal’. Qual estilo musical vocês tocam agora?
Rogério –
O som da banda mudou muito, acho que amadureceu bastante. Fomos experimentando coisas novas, afinal 20 anos é muito tempo e a gente vai mudando.
É muito difícil rotular a banda hoje, até eu tenho dificuldade de rotular, mas é o que se chama lá fora de rock, pop rock, uma linha assim. A banda não se enquadra mais no estilo metal, temos algumas influências, lógico, por um tempo ouvimos muito, mas não é o que rege o som da banda.

Kboing – Qual o principal público da banda?
Rogério –
Temos uma abrangência em todos os segmentos, religioso ou não. Entre o religioso temos muitos fãs evangélicos, que ouvem nossas músicas mesmo sendo uma banda católica.
O nosso público está nos grupos de jovens, movimentos pastorais, enfim os jovens mais engajados na igreja, mas também atingimos um público fora da igreja e agora com essa mídia o alcance será maior ainda.

Kboing – Quantos CDs a banda gravou ao longo da carreira?
Rogério –
São sete trabalhos, e esse último é CD e DVD.

Kboing – Em média quantos shows são realizados por mês?
Rogério –
Fazemos uma média de 9 shows por mês, em maio faremos 15. Mas tem mês que damos uma parada, no final e no começo do ano.

Kboing – Qual o balanço vocês fazem desses 20 anos de estrada?
Rogério –
É muito positivo em termos de aprendizado. A gente sempre procurou levar uma mensagem de fé, de esperança, de amor, mas no fim nós recebemos muito mais das pessoas do que passamos para elas. É gratificante ver o seu trabalho sendo reconhecido, mas o crescimento como pessoa é o mais gratificante. Então, acreditamos que Deus não deu só uma oportunidade de divulgar nosso trabalho e sim uma oportunidade de sermos pessoas melhores. Estamos longe de ser muito bom, mas estamos na busca e tudo isso graças aquilo que a gente se propôs a fazer.

Kboing – A música ‘Sem você’ conquistou a 1ª posição no site Kboing, um dos principais sites de música do Brasil, passando a dupla Victor & Léo, que mantinha essa posição há quatro meses. Nas outras mídias, a banda tem o mesmo apoio que encontra na Internet?
Rogério –
Esse apoio existe, mas é muito pouco ainda. A Internet é o veículo em que estamos melhor em disparada. Isso me deixa feliz e entusiasmado, porque eu vejo a Internet hoje com a mesma importância que o rádio tinha há 20 anos. Às vezes temos aquele paradigma de que a música tem que estar tocando no rádio para ser conhecida e isso ficou para trás, a Internet é muito acessível, atingindo todas as classes sociais. É bacana você saber que o alcance é grande.

Kboing – Quais são os planos da banda?
Rogério –
Temos projetos a médio e a longo prazo de fazer um disco de inéditas. Estamos com intenção de voltar a compor, mas não temos um cronograma para isso. Acreditamos que o ‘DVD Acústico ao Vivo’, que acabou de ser relançado em janeiro pela Som Livre, é um produto novo que está chegando para as pessoas agora, então temos muito que trabalhar nele ainda, muita lenha para queimar.

Kboing – Você gostaria de deixar algum recado para os fãs?
Rogério –
Queria muito agradecer. A gente tem total consciência que essa projeção na Internet é só em função dos fãs que acessam, que buscam as nossas músicas. Isso nos deixa muito felizes. Sabemos que isso é trabalho de formiguinha, de um a um, de fã mesmo. Se hoje estamos tendo essa projeção é porque foi no boca a boca, na indicação que as pessoas fazem para os amigos. O sentimento de gratidão não tem como retribuir.
A gente fala, e não é demagogia, que cada fã faz parte da banda, nosso trabalho não é uma coisa só nossa e as pessoas curtem passivamente, elas trabalham, elas divulgam. Cada pessoa que se identifica com o nosso trabalho faz parte desse corpo que é o Rosa de Saron e hoje graças a Deus é formado por milhares de pessoas que acreditam na proposta.

Discografia:
“Diante da Cruz” (1994)
“Angústia Suprema” (1997)
“Olhando de Frente” (1999)
“Depois do Inverno” (2002)
“Casa dos Espelhos” (2005)
“Acústico” (2007)
“DVD Acústico ao vivo” (2008)

Comentários