Pediatras pedem proibição de funks ao Ministério Público

07 de fevereiro de 2018, 15h00, por Alexandre Murari
Divulgação

Nesta terça-feira, 06, a SBP, Sociedade Brasileira de Pediatria, levou ao Ministério Público da Infância e Juventude do Rio de Janeiro uma representação para que o órgão "tome providências para interromper a reprodução imediata" das músicas "Só surubinha de leve", de MC Diguinho, e "Oh novinha", de MC Don Juan.

→ Grupo Rouge vai comandar bloco de carnaval em SP

→ Valesca se inspira em Hollywood para gravar novo clipe

Em nota, a instituição pediátrica fala em músicas "cujo conteúdo promove o estupro, a violência e outros crimes, bem como incitam o desrespeito às mulheres, podendo ser elementos prejudiciais na formação de crianças e adolescentes".

→ Tiê revela lançamento de clipe com Luan Santana

De acordo com o G1, a SBP alega que a representação deve ser apresentada ao Ministério Público Federal, em Brasília, ainda nesta quarta-feira, 07.

Lembrando que a canção foi lançada em setembro do ano passado com os versos "Taca bebida, depois taca pica e abandona na rua", "Só surubinha de leve" passou a ser criticada por fazer apologia ao estupro quando MC Diguinho anunciou o lançamento do clipe da faixa, inicialmente previsto para 17 de janeiro. No mesmo dia, a música foi excluída de serviços de streaming como, por exemplo, o Youtube.

Por fim, MC Diguinho divulgou uma "versão light" do clipe. No lugar dos versos "Taca bebida, depois taca pica e abandona na rua", a nova letra traz "Taca bebida, depois taca e fica, e não abandona na rua". Em sua conta no Instagram, Diguinho afirmou que "jamais iria denegrir a honra e moral das mulheres".

Comentários