A Porchat, Gaby Amarantos desabafa: "a gente só quer existir"

06 de julho de 2018, 10h07, por Alexandre Murari
Divulgação

A cantora paraense Gaby Amarantos esteve no Programa do Porchat, apresentado por Fábio Porchat e exibido pela Rede Record, nesta última quarta-feira, 04, e falou sobre a sua luta contra o racismo, o machismo e a intolerância. Para ela, que é uma artista negra que influencia os seus fãs por ser uma figura pública, é necessário ser exemplo e mostrar temas relevantes.

→ Perlla revela: 'Tentei me matar várias vezes'

→ 'Se Jesus fosse vivo, iria ao show de Pabllo Vittar', diz Paulo Gustavo em cena

"Eu gosto de mostrar as coisas que são importantes e que eu sou uma pessoa normal. As pessoas levam muito a sério tudo o que a gente fala, então tem que ter muita cautela para dar opinião", cravou a cantora, que acredita na capacidade do artista de se posicionar frente aos fatos:

"Eu sempre fui uma artista que deu opinião, nunca fui uma artista que se acovardou ou deixou a sociedade oprimir".

Quanto a sua experiência e os preconceitos que já sofreu, Gaby falou sobre a solidão da mulher negra. "É um assunto que agora a gente está começando a falar no Brasil. A maioria dos homens brasileiros cresceram vendo a mulher branca, do olho azul, magra, como a mulher para casar, porque a mulher negra era a emprega doméstica, ou era a mucama como hoje é a babá".

Apesar dos lamentos, a cantora enxerga que as coisas podem melhorar e mandou um reacado para quem não acredita na igualdade social: "Hoje, a gente começa a ver essa mulher negra como uma parreira, alguém para amar. Estamos aqui para ser amadas. A gente só quer existir, poder ser médico, juiz. Tem gente que tem raiva, [diz que] não aguenta mais, é gente que não quer ver a igualdade chegar no Brasil, é gente que não quer ver o negro, a negra, em um lugar de poder. [Mas] não tem mais volta".

Comentários