ouvir : conectando
Para adicionar mais músicas, clique em adicionar meu canal e depois em "Adicionar ao player"
  • traduzir letra
  • imprimir letra
  • corrigir letra
  • ajuda


A carruagem de fogo começa a viajar
Você não pode ver não pode ao menos tocar
Na carruagem da morte todos vai ter que embarcar
O seu destino é incerto depende do condutor
Pode subir ao céu ou queimar eternamente
Fulano até que era gente
Mas conduziu muito mal
Pelo caminho do crime
O destino é sempre fatal
Caiu na cadeia então difícil acreditar
Quatro portões pra passar
O mano vai se fechar
Não adianta tentar
Não da pra escapar
Presídio de segurança máxima resumindo é assim
Guardas armados pra todos os lados
Calibres pesados são apontados
Pra sua cabeça noite e dia
E fora os cães de guarda
Treinados pra matar
A cerca elétrica então
É um abraço meu irmão
O sonho estava acabando
Pesadelo começando
O mano quase chorando
Chegou na porta do xis
Pediu licença pros manos
Posso morar aqui
Entrou de cabeça baixa
Não disse uma palavra
Fez um tempo de canto
Depois chegou num fulano
Já foi cerrando um cigarro
Não conhecia as leis
Na cadeia é assim nada é de graça
Ficou devendo neguinho cobra não tem perdão não
O mano estava selando seu destino sua sorte
Começou sua viagem na carruagem da morte


A noite veio o céu já veste seu ludo
Premeditando as desgraças
Que acontece na casa de detenção
Parece inferno mas não
Nem o demônio poderia ter seu reinado aqui
Na hora da cobrança o mano foi violado
Não teve idéia pra trocar
Pediu vai ter que pagar
Muita maldade espalhada
Por cada metro quadrado
Segura a onda quem pode
Quem não puder se sacode
Mais um dia vem
E a visita também
O mano mal consegue andar
Quase não pode falar
Ele começa a chorar
Ao ver a sua mãe
Vez lembrar sua infância
Desde criança sonhava em jogar futebol
E ser alguém na vida
Mas esse tempo passou
Como o horário de visita
Que já estava no fim
Na hora da despedida
A dor bateu mais forte
Quando seu mano lhe disse que iria pro pagode
O mano volta pro xis
Só ele e sua jega
Todos detentos no sol
Jogando um futebol
A essa altura o fato
Já havia se espalhado
Fulano tinha virado
A mãe de cela do xis
Quando pia no raio vai ser zuado sim
Ele brincou com a sorte
Agora segue viagem na carruagem da morte
Três meses de cadeia e nunca deu um role
Vivia sempre jogado largado estirado
Num canto da cela suja e fria
De dia era um mané de noite era maria
Noventa dias de cana
Não recebeu mais visita
Se transformou em um verme
Não se sentia mais homem
Só quero ser humano
E como todos tem o seu limite
Sua consciência pesou a parada é o seguinte
Hoje eu vou dar um role
Seja o que deus quiser
Logo na entrada do pátio
Já foi travado na idéia
Seu companheiro de cela
Ganhou o fato no ato
Já colou na parada e mandou o seu recado
Na Mãe de cela do meu xis ninguém vai por a mão
Já sacou uma faca se atracou com o gatuno
Só não sabia que o outro também estava armado
Facada pra cá e pra lá sangue jorrando pro alto
Quando pio no raio os homem da disciplina
Já caminharam pra cima e acabaram com a festa
Fulano pediu seguro e mudou de pavilhão
Logo em seguida meu irmão
Rebelião no presídio vários detentos fugindo
Fulano estava no meio
Passou o primeiro portão
Segundo também passou
Terceiro vá vem chegando
E a liberdade vem se aproximando
Mas de repente o incidente uma rajada nas costas
Ratatata e o mano para de sonhar
E sai como se fosse um baseado no fim
As marcas ficam nas pontas dos dedos
Mas essas marcas ficaram no seu corpo inteiro
Agora pensa e reflita não vá no embalo do crime
Se distancie das drogas pra não partir muito cedo
Na carruagem da morte


Mais músicas de Face da Morte

músicas | top novidades | top músicas | top artistas