Supercombo - Amianto


ouvir adicionar
Moça, sai da sacada
Você é muito nova
Pra brincar de morrer
Me diz o que há
O quê que a vida
Aprontou dessa vez?

Venha, desce daí
Deixa eu te levar
Pra um café, pra conversar
Te ouvir e tentar te convencer

Que a vida é como mãe
Que faz o jantar e obriga
Os filhos a comer os vegetais
Pois sabe que faz bem
E a morte é como pai
Que bate na mãe e rouba os filhos
Do prazer de brincar
Como se não houvesse amanhã

Moça, não olha pra baixo
Aí é muito alto
Pra você se jogar
Vou te ouvir
E tentar te convencer

(Somos programados pra...)

Que a vida é como mãe
Que faz o jantar e obriga
Os filhos a comer os vegetais
Pois sabe que faz bem
E a morte é como pai
Que bate na mãe e rouba os filhos
Do prazer de brincar
Como se não houvesse amanhã

Mas, tudo bem, nem sempre estamos na melhor...

Moço, ninguém é de ferro
Somos programados pra cair
Moça, sai da sacada
Você é muito nova
Pra brincar de morrer
Me diz o que há
O quê que a vida
Aprontou dessa vez?

Venha, desce daí
Deixa eu te levar
Pra um café, pra conversar
Te ouvir e tentar te convencer

Que a vida é como mãe
Que faz o jantar e obriga
Os filhos a comer os vegetais
Pois sabe que faz bem
E a morte é como pai
Que bate na mãe e rouba os filhos
Do prazer de brincar
Como se não houvesse amanhã

Moça, não olha pra baixo
Aí é muito alto
Pra você se jogar
Vou te ouvir
E tentar te convencer

(Somos programados pra...)

Que a vida é como mãe
Que faz o jantar e obriga
Os filhos a comer os vegetais
Pois sabe que faz bem
E a morte é como pai
Que bate na mãe e rouba os filhos
Do prazer de brincar
Como se não houvesse amanhã

Mas, tudo bem, nem sempre estamos na melhor...

Moço, ninguém é de ferro
Somos programados pra cair
publicidade