Ao passar pela velha porteira
Senti minha terra mais perto de mim
De emoção eu estava chorando
Porque minha angústia chegava ao fim
Eu confesso que era meu sonho
Rever a fazenda onde me criei
Não via chegar o momento de abraçar de novo
Meu querido povo que um dia eu deixei
Que surpresa cruel me aguardava
Ao ver a fazenda como transformou
Quase todos dali se mudaram
E a velha colônia deserta ficou
Os amigos que ali permanecem
Transformaram tanto que nem conheci
E ele não me conheceram e nem perceberam
Que os anos passaram e eu envelheci
E você minha velha porteira
Também não está como outrora deixei
Seus morões pelo tempo ruído
No solo caído também encontrei
Já não ouço as suas batidas
Seu triste rangido lembranças me trás
Porteira na realidade, você é a saudade
Do tempo da infância que não volta mais
Ao passar pela velha porteira
Senti minha terra mais perto de mim
De emoção eu estava chorando
Porque minha angústia chegava ao fim
Eu confesso que era meu sonho
Rever a fazenda onde me criei
Não via chegar o momento de abraçar de novo
Meu querido povo que um dia eu deixei
Que surpresa cruel me aguardava
Ao ver a fazenda como transformou
Quase todos dali se mudaram
E a velha colônia deserta ficou
Os amigos que ali permanecem
Transformaram tanto que nem conheci
E ele não me conheceram e nem perceberam
Que os anos passaram e eu envelheci
E você minha velha porteira
Também não está como outrora deixei
Seus morões pelo tempo ruído
No solo caído também encontrei
Já não ouço as suas batidas
Seu triste rangido lembranças me trás
Porteira na realidade, você é a saudade
Do tempo da infância que não volta mais
publicidade