Chiquito e Bordoneio - Qualquer Uma


ouvir adicionar
Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Pode tocar qualquer uma
Desde que traga bem viva
A velha chama nativa
Que minha estrada ainda ruma

Em cada nota resuma
Esse destino altaneiro
Se for assim meu parceiro
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

A minha alma se apruma
Quando a guitarra ponteia
O coração incendeia
E a mágoa se desarruma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Qualquer uma que me faça
Sentir aquela fragrância
Da madrugada na estância
Odor de campo e fumaça

Que nela meio por graça
A nossa querência taita
Na voz antiga da gaita
Cante os encantos da raça

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Mate bem gordo de espuma
Na madrugada de inverno
E um pai de fogo no cerno
Vai fumaceando uma bruma

A cabreúva perfuma
O meu galpão feito incenso
Eu ligo o rádio e já penso
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Pode tocar qualquer uma
Desde que traga bem viva
A velha chama nativa
Que minha estrada ainda ruma

Em cada nota resuma
Esse destino altaneiro
Se for assim meu parceiro
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

A minha alma se apruma
Quando a guitarra ponteia
O coração incendeia
E a mágoa se desarruma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Qualquer uma que me faça
Sentir aquela fragrância
Da madrugada na estância
Odor de campo e fumaça

Que nela meio por graça
A nossa querência taita
Na voz antiga da gaita
Cante os encantos da raça

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Mate bem gordo de espuma
Na madrugada de inverno
E um pai de fogo no cerno
Vai fumaceando uma bruma

A cabreúva perfuma
O meu galpão feito incenso
Eu ligo o rádio e já penso
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma

Eu não escolho nenhuma
Milonga, xote ou vaneira
Sendo gaúcha e campeira
Pode tocar qualquer uma
publicidade