Alex e Yvan - Cavalo Enxuto


ouvir adicionar
Eu tenho um vizinho rico, fazendeiro endinheirado
Não anda mais a cavalo, só compra carro importado
Eu conservo a minha tropa, o meu cavalo ensinado
E o fazendeiro moderno só me chama de quadrado
Namorando a mesma moça e vejam só o resultado

Um dia a moça falou, pra não haver discussão
Vamos fazer uma aposta: a corrida da paixão
Granfino corre no carro, você no seu alazão
Eu vou pra minha fazenda, pra esperar lá no portão
Que dos dois chegar primeiro vai ganhar o meu coração

Ele calibrou os pneus, apertou bem as ruelas
Eu ferrei o meu cavalo que tem asa nas canelas
Granfino entrou no carro, pulei em cima da sela
Ele funcionou o motor, fechou as quatro janelas
Chamei o macho na espora bem por baixo das costelas

Em entrei por um atalho, pulando cerca e pinguela
Quando terminou o asfalto, ele entrou numa esparrela
Numa estrada boiadeira, toda cheia de cancela
Cheguei no portão primeiro, dei um beijo na donzela
Quando o granfino chegou eu já estava nos braços dela

O progresso é coisa boa, reconheço e não discuto
Mas aqui no meu sertão, meu cavalo é absoluto
Foi Deus e a natureza quem criou esse produto
Essa vitória foi minha e do meu cavalo enxuto
A menina hoje vive nos braços desse matuto

Já derrubamos o mato, terminou a derrubada
Agora prestem atenção, meus "amigo e camarada"
Não posso levar vocês pra minha nova empreitada
Vou pagar tudo o que devo e sair de madrugada

Na minha nova empreitada, não tem mato e nem espinho
Ferramentas não preciso, guarde tudo num cantinho
Preciso de um cavalo, bem ligeiro e bem mansinho
Preciso de muitas balas e um Colt Cavalinho

Eu nada tenho a temer, pra minha vida eu não ligo
Mesmo assim eu peço a Deus, que me livre do inimigo
A empreitada é perigosa, sei que vou correr perigo
É por isso que não quero nem um de vocês comigo

Eu vou roubar uma moça, em um ninho de serpentes
Ela quer casar comigo a família não consente
Já me mandaram um recado, "tão" armado até os dentes
Vai chover balas no mundo se nós topar frente a frente

Adeus, adeus Preto Velho, Zé Maria e Serafim
Adeus, adeus Paraíba, Mineirinho e Seu Joaquim
Se eu não voltar amanhã, pode até rezar pra mim
Mas se tudo der certinho a menina tem que vim Eu tenho um vizinho rico, fazendeiro endinheirado
Não anda mais a cavalo, só compra carro importado
Eu conservo a minha tropa, o meu cavalo ensinado
E o fazendeiro moderno só me chama de quadrado
Namorando a mesma moça e vejam só o resultado

Um dia a moça falou, pra não haver discussão
Vamos fazer uma aposta: a corrida da paixão
Granfino corre no carro, você no seu alazão
Eu vou pra minha fazenda, pra esperar lá no portão
Que dos dois chegar primeiro vai ganhar o meu coração

Ele calibrou os pneus, apertou bem as ruelas
Eu ferrei o meu cavalo que tem asa nas canelas
Granfino entrou no carro, pulei em cima da sela
Ele funcionou o motor, fechou as quatro janelas
Chamei o macho na espora bem por baixo das costelas

Em entrei por um atalho, pulando cerca e pinguela
Quando terminou o asfalto, ele entrou numa esparrela
Numa estrada boiadeira, toda cheia de cancela
Cheguei no portão primeiro, dei um beijo na donzela
Quando o granfino chegou eu já estava nos braços dela

O progresso é coisa boa, reconheço e não discuto
Mas aqui no meu sertão, meu cavalo é absoluto
Foi Deus e a natureza quem criou esse produto
Essa vitória foi minha e do meu cavalo enxuto
A menina hoje vive nos braços desse matuto

Já derrubamos o mato, terminou a derrubada
Agora prestem atenção, meus "amigo e camarada"
Não posso levar vocês pra minha nova empreitada
Vou pagar tudo o que devo e sair de madrugada

Na minha nova empreitada, não tem mato e nem espinho
Ferramentas não preciso, guarde tudo num cantinho
Preciso de um cavalo, bem ligeiro e bem mansinho
Preciso de muitas balas e um Colt Cavalinho

Eu nada tenho a temer, pra minha vida eu não ligo
Mesmo assim eu peço a Deus, que me livre do inimigo
A empreitada é perigosa, sei que vou correr perigo
É por isso que não quero nem um de vocês comigo

Eu vou roubar uma moça, em um ninho de serpentes
Ela quer casar comigo a família não consente
Já me mandaram um recado, "tão" armado até os dentes
Vai chover balas no mundo se nós topar frente a frente

Adeus, adeus Preto Velho, Zé Maria e Serafim
Adeus, adeus Paraíba, Mineirinho e Seu Joaquim
Se eu não voltar amanhã, pode até rezar pra mim
Mas se tudo der certinho a menina tem que vim
publicidade